Revolução Francesa: etapas, causas e consequências

A Revolução Francesa aconteceu no ano de 1789, marcando o fim da Idade Moderna e o começo da Idade Contemporânea. Mais do que um capítulo relevante para a história da França, impactou consideravelmente todo o mundo. Levou à queda de uma forte monarquia, enfraqueceu o poderio da Igreja e findou com a aristocracia. Continue lendo para conhecer suas etapas, causas e consequências.

Causas da Revolução Francesa

Essa importante revolução não aconteceu do dia para a noite, foi sendo construída ao longo do tempo através de ideais revolucionários. Abaixo listamos as principais causas que levaram à Revolução Francesa:

  • Surgimento e fortalecimento do pensamento iluminista;
  • Influência econômica e idealista da Revolução Americana;
  • Grande desigualdade social;
  • Grande crise econômica que levou à fome e mortes.
  • Todas essas causas se relacionam entre si, abaixo explicaremos cada uma delas.

Iluminismo

O século XVIII ficou conhecido como o “Século das Luzes”, nele, o continente europeu foi iluminado por uma das mais relevantes correntes de pensamento da história: o Iluminismo. O movimento defendia a razão e o humanismo, reforçava a importância do pensamento científico em detrimento da fé religiosa. Surgido no começo do século XVIII, teve grande impacto sobre os intelectuais e a burguesia da época.

O pensamento iluminista acreditava não ser produtivo ter a figura de um monarca com poder absoluto. Destacam-se nessa corrente de pensamento, na França, nomes como Voltaire, Montesquieu e Jean-Jacques Rousseau.

Influência da Revolução Americana

Na segunda metade do século XVIII, ocorreram diversas revoltas e revoluções na Europa e no continente americano. Uma das que mais ganhou destaque foi a Revolução de Independência das colônias americanas.

Luís XVI, o então rei da França, enviou tropas para ajudar os Estados Unidos nessa empreitada contra a Grã-Bretanha, seu grande rival econômico e político. No entanto, essa ajuda custou muito caro para a coroa francesa e levou a uma série de aumentos de impostos. A população ficou bastante insatisfeita e a Revolução Americana se tornou um símbolo no imaginário dos franceses.

Desigualdade social

A França era uma das nações mais poderosas do mundo no final do século XVIII. Entretanto, isso não significa benefícios para todos os 25 milhões de franceses do período. Havia grande desigualdade social, algo evidente através da existência de três ordens hierarquias distintas conhecidas como: Primeiro, Segundo e Terceiro Estados.

Primeiro Estado

No Primeiro Estado estavam membros do clero (Igreja Católica), que detinham poderes comparados aos do monarca.

Segundo Estado

Nessa camada estavam os aristocratas, ou seja, a nobreza francesa. Um grupo em decadência desde que o Feudalismo começou a dar sinais de seu fim.

Terceiro Estado

O Terceiro Estado era formado pela burguesia, trabalhadores das cidades e camponeses. A retomada do comércio após o fim do Feudalismo, levou a burguesia à ascensão financeira, mas não social e nem política. Os camponeses, mais de 80% da população francesa da época, estavam sobrecarregados com impostos.

Crise econômica na França

A França passou por grande estiagem entre as décadas de 1770 e 1780. Isso fez com que as suas colheitas de trigo e demais cereais sofressem uma queda significativa. Os camponeses estavam sem sua principal fonte de alimento.

Trabalhadores e camponeses se viram em uma situação miserável sem alimento e tendo que arcar com os aumentos dos impostos.  Diante de um cenário de inúmeras mortes por inanição e constantes saques, Luís XVI se viu obrigado a convocar a Assembleia dos Estados Gerais. Para muitos historiadores esse foi o ponto que levou à eclosão da Revolução Francesa.

Etapas da Revolução Francesa

Confira, a seguir, as etapas da Revolução Francesa.

Convocação da Assembleia dos Estados Gerais em 1789

Essa assembleia tinha como objetivo reunir os três estados para deliberar a respeito da economia e política da França e foi marcada para o dia 1° de maio de 1789. A última dessas assembleias tinha sido realizada em 1614, mais de dois séculos antes. O primeiro e o segundo estado votaram juntos, decidindo pelo aumento de impostos pelo terceiro estado, nada mudou.

Juramento do jogo de pela

Em 20 de junho de 1789, os deputados do terceiro estado foram impedidos de entrar no Palácio de Versalhes para participar das votações da assembleia. Eles então invadiram uma sala do palácio destinada ao jogo de pela.

Luís XVI disse que concordava com a criação da Constituição do Estado Francês, mas em paralelo estava articulando o exército da coroa contra o Terceiro Estado. A população parisiense se dirigiu à Bastilha.

Queda da Bastilha

Após a tomada da Bastilha em 14 de julho de 1789, Luís XVI concorda com a Assembleia Constituinte Nacional. A França se torna, então, uma monarquia constitucional. É elaborada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.

Monarquia Constitucional (1789-1792)

Áustria e Prússia iniciaram uma guerra contra a França em 1791, para impedir revoltas semelhantes em seus territórios. Em agosto desse ano, Luís XVI foi destituído e foi proclamada a República e a Comuna Insurrecional. A França conseguiu se livrar das tropas austríacas e prussianas. Foi criada a Convenção Republicana como símbolo do fim da Assembleia.

Convenção Nacional e Período do Terror (1792-1794)

Fase de divergências entre dois grupos políticos distintos: girondinos (alta burguesia) e jacobinos (baixa burguesia). As classes mais baixas lideravam os mais radicais que decidiram pela execução de Luís XVI e sua família na guilhotina.

Girondinos contrários à execução também foram para a guilhotina. Os jacobinos assumiram o poder liderados por Robespierre, que acabou indo para a guilhotina também.

Fase do Diretório (1794-1799)

Com a queda dos jacobinos, a alta burguesia assumiu o governo, essa liderança era chamada de diretório. Nessa fase, a burguesia se fortaleceu e conquistou alguns privilégios.

Consequências da Revolução Francesa

As principais consequências da Revolução Francesa foram:

  • Fim dos privilégios da aristocracia;
  • Ampliação dos direitos e privilégios da burguesia;
  • Fortalecimento do capitalismo;
  • Fim do absolutismo francês;
  • Originou uma Constituição.

Agora você já conhece mais sobre a Revolução Francesa! Navegue pelo blog do Hexag para conferir conteúdos de história geral e outras disciplinas.

Retornar ao blog