O que foi o Feudalismo?

Durante a Baixa Idade Média, a organização política, social e econômica com base na terra conhecida como Feudalismo predominou na Europa Ocidental. Os feudos eram grandiosas propriedades rurais em que havia um castelo fortificado, aldeias, terras para cultivo, bosques e pastos.

Esse sistema teve origem no Império Carolíngio, quando o rei precisou de aliados para a defesa das fronteiras. Ele doava as terras e os títulos de nobreza como uma forma de recompensar líderes de batalhas. Os feudos foram deixando de existir a partir do século IX, quando teve início a desintegração do império.

Entenda o que foi o Feudalismo

O Feudalismo consistiu em uma organização política, social e econômica, cuja base era a posse de terras, os feudos. Para entender melhor essa configuração, é interessante conhecer as suas principais características abaixo.

Sociedade Feudal

A sociedade feudal era estamental, ou seja, composta por diferentes camadas que se diferenciavam entre si pelos seus privilégios. Praticamente não havia mobilidade social, sendo assim, era praticamente impossível passar de um estamento para o outro. A sociedade feudal era composta por três estamentos sociais: nobreza, clero e servos.

Nobreza

Os nobres eram os detentores de terra, os chamados senhores feudais. Cabia a eles aplicar as leis, realizar negócios com os vizinhos, gerir a justiça, conceder privilégios e declarar guerra ou paz. O rei estava no topo da nobreza, no entanto, concentrava pouco poder, tendo que dividi-lo com os senhores feudais.

Clero

A igreja se tornou a instituição mais poderosa no contexto feudal, sendo proprietária de terras e tendo grande influência sobre as relações sociais. A igreja pregava que cada indivíduo vinha à Terra com uma missão, ou seja, tinha uma função definida na sociedade. O nobre tinha a função de proteger a sociedade militarmente, o clero deveria rezar e o servo trabalhar.

É interessante mencionar que os mosteiros medievais foram os responsáveis por conservar manuscritos a respeito de ciência, literatura e filosofia. Também prestavam apoio aos viajantes e acolhiam quem estava doente.

Servos

Os servos tinham como sua função servir permanecendo presos à terra. Cabia a eles o pagamento de impostos e a prestação de alguns serviços.

Outros trabalhadores

Além dos servos havia outras categorias de trabalhadores: vilões, ministeriais e escravos.

Vilões

Eram os homens livres que residiam na vila. Podiam realizar serviços para o senhor feudal e trocar de propriedade.

Ministeriais

Indivíduos que trabalhavam na administração da propriedade feudal e tinham chances de ascender socialmente. Podiam se tornar membros da pequena nobreza.

Escravos

Normalmente, eram empregados no serviço doméstico. Nesse período, era relativamente comum que cristãos escravizassem muçulmanos e o contrário também.

Os feudos ofereciam um estilo de vida rústico, nem a nobreza vivia com luxos. Os servos, porém, viviam miseravelmente, sem saber ler ou escrever. O clero era o único estamento social que detinha acesso ao estudo.

Economia Feudal

A produção nos feudos era autossuficiente, ou seja, se destinava ao consumo local. Não era realizado comércio em larga escala da produção feudal. Quando as colheitas geravam excedentes, eram realizadas trocas com os feudos vizinhos ou nas feiras realizadas nas cidades. Em grande parte dos casos, o comércio se dava através de trocas e não pelo uso de moedas. No entanto, as moedas existiam sendo emitidas pelos feudos.

Política Feudal

O senhor feudal era quem detinha o poder político no feudo, sendo o detentor do exército. Tinha a obrigação de oferecer proteção aos servos e direito de receber impostos e fazer a justiça. A proteção se dava por meio da construção de um castelo fortificado em torno do qual a comunidade se desenvolvia.

Se um senhor feudal precisasse de apoio para enfrentar uma guerra, fazia alianças com nobres com menor poder. Isso se dava através de um juramento de fidelidade que recebia o nome de “homenagem”, em que o senhor feudal mais poderoso passava a ser o suserano e o outro nobre o vassalo.

Cabia aos vassalos defender seu suserano e estar junto dele em uma situação de conflito. Os vassalos recebiam como contrapartida de sua ajuda terras ou rendas de pedágios, por exemplo. Os membros do clero também podiam ser senhores feudais, haja vista que a igreja detinha terras.

Fatores que levaram ao declínio do Feudalismo

A partir do século XIII, o Feudalismo passou por uma série de transformações, conheça a seguir os fatores de declínio desse sistema.

Renascimento do comércio e autonomia das cidades

O comércio renasceu nesse período e as cidades passaram a ter mais fontes de renda. O poder foi novamente se concentrando nas mãos do rei e as cidades e vilas se tornaram mais autônomas em relação aos feudos. Diante desse cenário, o soberano concedeu diversas imunidades, como isenção jurídica e fiscal. Isso foi reduzindo a relevância dos senhores feudais.

Valorização do dinheiro

O dinheiro passou a ser mais valioso do que a terra e novas relações de produção nasceram, como o trabalho assalariado e livre. Novas camadas sociais surgiram, como a burguesia, por exemplo.

Aumento populacional

A população cresceu consideravelmente, levando a alterações significativas no sistema de produção feudal que precisou ampliar sua área de cultivo e desenvolver novas técnicas de agricultura.

Alguns senhores feudais passaram a cercar as terras comunais (que eram usados por todos os servos), arrendaram terras, venderam a liberdade para os servos ou simplesmente os expulsaram do feudo. Tais atitudes geraram revolta entre os camponeses que responderam com violência.

Sistema capitalista

Gradual e lentamente, o sistema feudal foi substituído pelo sistema capitalista. Em paralelo, as cidades renasceram, houve centralização do poder nas mãos do rei e o surgimento da burguesia.

Agora você sabe o que foi o Feudalismo! Navegue pelo blog do Hexag para conferir mais conteúdos de história geral e outras disciplinas.

Retornar ao blog