Tudo sobre assonância

A assonância é uma figura de linguagem do tipo de figura de som ou harmonia. No artigo a seguir iremos explicar o conceito com mais detalhes e apresentar o seu papel no texto. Também falaremos a respeito das diferenças existentes entre essa e outras figuras de linguagem como a aliteração e onomatopeia. 

O que é assonância?

Como citamos acima, a assonância é um tipo de figura de linguagem conhecida por ser uma figura de som ou harmonia. Tem como principal característica promover a repetição harmônica de vogais (sons vocálicos) na frase em questão. Por adicionar ritmo e beleza a composição, é um recurso estilístico bastante empregado na literatura, provérbios populares e também na música.

Os textos que utilizam esse recurso se tornam mais expressivos, uma vez que passam a ter mais musicalidade e ritmo. A assonância é uma das figuras de som relevantes, também podemos citar a aliteração, onomatopeia e paronomásia. 

Exemplos de assonância

Para que você possa entender melhor o conceito de assonância, apresentaremos alguns exemplos em que esse recurso estilístico foi utilizado. 

Assonância na música “Atrás da porta” de Chico Buarque

“Juro que não acreditei, eu te estranhei/Me debrucei sobre teu corpo e duvidei/E me arrastei e te arranhei/E me agarrei nos teus cabelos”.

A repetição de vogais acontece pelo “ei”. 

Assonância na música “O que você faria” de Lenine

“Meu amor/O que você faria/Se só te restasse esse dia?/Se o mundo fosse acabar/Me diz o que você faria”.

Nesse trecho, a repetição vocálica está em “ia”. 

Assonância na poesia de Cecília Meireles

“Esta menina/ tão pequenina/ quer ser bailarina”. Nessa poesia há a repetição do fonema “i” e “na”.

É esse efeito sonoro, produzido pela repetição, que torna o texto plástico. Sem essa repetição, o verso não teria o ritmo adequado. 

Assonância em texto em prosa de Guimarães Rosa

“Cassiano pensou, fumou, imaginou, trotou, cismou, e, já a duas léguas do arraial, na estrada do norte, os seus cálculos acharam conclusão:

Acertei minha ideia: eu não podia, por lei de rei, admitir o extrato daquilo.”.

Aliteração x assonância

No tocante às figuras de som, existem duas que geram grande confusão: aliteração e assonância. Por terem conceitos, de certa forma, semelhantes, podem confundir os estudantes. Entender a diferença é essencial para não errar questões pertinentes a esse tema.

A assonância se caracteriza por promover uma repetição de vogais, por sua vez, a aliteração consiste em uma repetição de consoantes. Entenda melhor a partir de exemplos. 

Aliteração

Um exemplo clássico de aliteração é o trecho “O pato pateta pintou o caneco”, da música de Vinicius de Moraes. Nesse caso, a aliteração se dá pela repetição das consoantes “p” e “t”, que conferem ritmo ao texto. 

Assonância

Um exemplo interessante para compararmos o conceito de aliteração com o de assonância é esse trecho de uma música de Djavan: “Minha Foz do Iguaçu/Polo Sul, me azul/Luz do sentimento nu”. Acontece aqui a repetição da vogal “u”. 

A diferença básica entre aliteração e assonância é que a primeira consiste na repetição de consoantes, enquanto a segunda consiste na repetição de vogais. Por terem a mesma função de conferir mais ritmo, podem ser utilizadas juntas em versos e frases como no exemplo abaixo: 

“Na messe, que enlourece, estremece a quermesse …/O sol, celestial girassol, esmorece…/E as cantilenas de serenos sons amenos/Fogem fluidas, fluindo a fina flor dos fenos…” (Eugênio de Castro)

Percebeu que as duas figuras de som foram empregadas no exemplo acima? Podemos identificar a assonância na repetição das vogais tônicas “e” e a aliteração nos fonomes “ss” e “c” assim como na repetição das consoantes “f”. 

Paronomásia

Quando se trata de figura de som, é válido mencionar também a paronomásia. Esse nome se deve ao fato de que essa figura utiliza palavras parônimas como seus elementos estilísticos principais. Parônimos são termos semelhantes na grafia e pronúncia, mas que possuem sentidos diferentes. Confira alguns exemplos abaixo: 

– Imigrar (entrar num país) e Emigrar (deixar um país); 

– Cumprimento (saudação) e Comprimento (extensão); 

– Tráfico (comércio ilegal) e Tráfego (trânsito);

– Infração (violação) e Inflação (alta dos preços); 

– Flagrante (evidente) e fragrante (perfumado). 

Essa figura é muito usada na linguagem coloquial. Também é bastante visto em provérbios populares através de trocadilhos e jogos de palavras. A seguir listamos alguns exemplos: 

“Após recrear com as crianças, ele foi recriar sua visão de mundo.”. Nesse caso, há o verbo “recrear” (divertir) e o verbo “recriar” (criar novamente). 

Ouço meu osso rangendo.”. Nesse caso a paronomásia está em “osso” (parte do corpo) e no verbo “ouço” (ouvir). 

Onomatopeia

O uso dessa figura de som tem como objetivo oferecer mais expressividade aos textos. A onomatopeia se caracteriza por imitar sons reais de animais, pessoas e objetos. Confira os exemplos abaixo: 

Miau! O gatinho está reclamando de fome.”.

“Nessa espera o tic-tac do relógio é um verdadeiro tormento.”.

Agora você já sabe tudo sobre assonância. Para conferir mais conteúdos como este, navegue pelo blog do Hexag!

Retornar ao blog