Regência verbal e nominal - Entenda as diferenças

Terça, 4 de Maio de 2021

Regência verbal e nominal - Entenda as diferenças

Conhecer os conceitos de regência verbal e nominal e as suas diferenças é fundamental para escrever de forma adequada do ponto de vista da sintaxe da língua portuguesa. Continue lendo para entender melhor esse assunto de grande relevância, tanto para as questões gramaticais quanto para escrever boas redações.

Regência verbal e nominal: entenda melhor

Em uma oração são estabelecidas relações entre as palavras, são essas relações que tornam possível criar sentidos para a mensagem, afinal, as palavras são interdependentes.

Recebe o nome de regência essa relação de complementação estabelecida entre os termos de uma oração. A regência pode ser verbal ou nominal. A palavra que precisa de outra para adquirir sentido é chamada de termo regido. Já a que o termo regido está subordinado, recebe o nome de termo regente.

Se você está pensando que parece complicado, saiba que, na verdade, é bem simples. Temos certeza que com a nossa explicação você entenderá tudo o que precisa a respeito de regência verbal e nominal. Acompanhe!

Regência verbal

A regência verbal consiste na relação estabelecida entre verbos e os termos que os complementam (objetos diretos ou objetos indiretos) ou os caracterizam (adjuntos adverbiais). Os verbos podem ser intransitivos ou transitivos.

Os verbos intransitivos são aqueles que não necessitam de complemento porque possuem sentido completo. Há casos em que os verbos intransitivos são acompanhados por adjuntos adverbiais, contudo, esses elementos não podem ser classificados como objetos.

Adjunto adverbial consiste em um termo acessório da oração que tem como função principal realizar a modificação de um verbo, de um advérbio ou um adjetivo. O adjunto adverbial indica uma circunstância que pode ser lugar, tempo, intensidade, modo, entre outras.

Como se trata de um termo acessório, pode ser removido da frase sem que a sua estrutura sintática seja alterada. Confira os exemplos abaixo:

Choveu muito hoje.

Choveu (verbo impessoal intransitivo).

Muito hoje (adjunto adverbial de intensidade e de tempo). 

Chegamos no ônibus das dez horas.

Chegamos (verbo intransitivo).

No ônibus das dez horas (adjunto adverbial de meio e de tempo).

Verbos transitivos diretos

Os verbos transitivos são aqueles que demandam um complemento para que possam adquirir sentido. Esses verbos podem ser classificados como transitivos diretos e indiretos.

Verbos transitivos diretos são aqueles que recebem o acompanhamento de objetos diretos e não precisam de preposição para que haja uma correta relação de regência. Confira os exemplos abaixo. 

Quero sorvete!

Quero (verbo transitivo direto).

Sorvete (objeto direto). 

Amo aquela garota.

Amo (verbo transitivo direto).

Aquela garota (objeto direto). 

Dica!

Para tornar mais fácil a identificação dos verbos transitivos diretos, a dica é fazer algumas perguntas para eles como “quero o que?/ quero quem?” ou “amo o que? / amo quem?”. As respostas para as perguntas são os objetos diretos.

Verbos transitivos indiretos

No caso dos verbos transitivos indiretos, o complemento é feito por objetos indiretos, ou seja, precisam de uma preposição para que seja estabelecida a relação de regência. Confira os exemplos abaixo. 

Gostamos da viagem.

Gostamos (verbo transitivo direto).

da (preposição ‘de’ + artigo ‘a’ = da).

Viagem (objeto indireto). 

Respondi às mensagens.

Respondi (verbo transitivo indireto).

às (preposição + artigo = às).

Mensagens (objeto indireto). 

Dica!

Nesse caso, você também pode facilitar a identificação do verbo transitivo indireto fazendo algumas perguntas a ele como “gostaram de que? / gostaram de quem?” ou “respondeu a que? / respondeu a quem?”. Perceba que, ao fazer a pergunta usando uma preposição, o objeto também irá responder com uma preposição, gostamos da viagem / respondi às mensagens.

Verbos transitivos diretos e indiretos

Os verbos transitivos diretos e indiretos eram chamados antes de bitransitivos. Esse nome não é mais usado. Caracterizam-se por ser verbos acompanhados de um objeto direto e um objeto indireto. Confira o exemplo abaixo. 

Agradeço aos ouvintes a audiência.

Agradeço (verbo transitivo direto e indireto).

aos (a (preposição) + os = os).

Ouvintes (objeto indireto).

a audiência (objeto direto).

Quem agradece está agradecendo algo a alguém. 

Entreguei a caneta à diretora.

Entreguei (verbo transitivo direto e indireto).

a caneta (objeto direto).

à diretora (objeto indireto). 

Regência nominal

A regência nominal se caracteriza pela relação existente entre um nome (substantivo, advérbio ou adjetivo) e os termos regidos pelo nome. A relação, nesse caso, é sempre intermediada por uma preposição. A seguir você pode conferir alguns exemplos.

Substantivos

Devoção a/ com/ para/ por;

Admiração a/ por;

Respeito a/ para com/ com/ por.

Adjetivos

Acostumado a/ com;

Agradável a;

Necessário a;

Equivalente a.

Advérbios

Longe de;

Perto de.

Regência verbal e nominal: quais as diferenças?

Explicamos com detalhes o que é a regência verbal e a regência nominal de forma que ficou mais fácil compreender as diferenças. O ponto principal é que a regência verbal diz respeito à relação estabelecida entre verbos e termos de complementação ou caracterização, enquanto a regência nominal se caracteriza pela relação que há entre um nome e os termos por ele regidos.

Regência verbal e nominal são conceitos essenciais para a escrita da língua portuguesa! Para conferir mais conteúdos e dicas navegue pelo blog do Hexag!