Quem foi Lavoisier e qual sua contribuição para química?

Antoine Laurent Lavoisier foi um dos mais importantes nomes da Química do século XVIII. O cientista francês nasceu em 1743 e faleceu em 1794, deixando um importante legado. Com grande interesse por diferentes Ciências, construiu seu próprio laboratório e contribui para diversas áreas.

Continue lendo para saber mais sobre quem foi o cientista considerado como um dos pais da Química.

Afinal, quem foi Antoine Laurent Lavoisier?

Lavoisier nasceu em Paris, no ano de 1743, numa família abastada e teve acesso a uma excelente educação. Embora tenha demonstrado grande interesse por Ciências como Química, Física, Matemática, Astronomia, Geologia e Botânica, cursou a faculdade de Direito. Porém, isso não o impediu de construir um laboratório próprio, mantendo a ciência como um hobby.

Sua dedicação à ciência rendeu uma série de descobertas e contribuições de grande importância para várias áreas além da Química. Quando tinha apenas 22 anos de idade, elaborou um projeto de iluminação para as ruas de Paris. Por esse feito, recebeu a medalha de ouro da Academia de Ciências de Paris. 

Com 25 anos de idade, foi eleito membro da Academia Real de Ciências da França. Esse reconhecimento foi decorrente dos estudos geológicos que realizou em Paris. Em 16 de dezembro de 1771, com 28 anos de idade, desposou a aristocrata Marie-Anne Pierrete Paulze, que se tornou conhecida como Madame Lavoisier.

A contribuição de madame Lavoisier 

A jovem esposa se tornou uma grande colaboradora de Lavoisier, especialmente pelo seu conhecimento em línguas, como latim e inglês. Marie-Anne traduzia os trabalhos do marido para outros idiomas e traduzia os trabalhos de outros cientistas para o francês, para que Lavoisier pudesse ler. Além disso, era uma exímia ilustradora, sendo responsável por ilustrar algumas das experiências mais importantes do cientista. 

Cobrador de impostos

Lavoisier obteve em 1779 uma participação na Ferme Générale, um sistema usado na França para realizar a taxação de impostos naquela época. O cientista exercia a função de cobrador de impostos para a Ferme Générale, de maneira que passou a ter tempo e recursos para se dedicar à realização de experiências consideradas notáveis na área da Química. 

No mesmo ano, Lavoisier foi designado como inspetor geral de pólvoras e salitres do arsenal parisiense. No período entre 1785 e 1787, se tornou membro da comissão de agricultura e se dedicou aos estudos dos problemas da economia e da química. Em 1789, se tornou deputado suplente aos Estados Gerais. Em 1790, passou a fazer parte da comissão para o estabelecimento de um novo sistema de medidas. 

A morte de Lavoisier

Lavoisier foi considerado como um inimigo do povo durante a Revolução Francesa devido ao trabalho de coletor de impostos. No dia 8 de maio de 1794, ele foi guilhotinado em praça pública. 

Lavoisier e sua contribuição para a Química

Lavoisier era um cientista que amava a Ciência, desde cedo se mostrou adepto de diferentes áreas. Iniciou suas pesquisas científicas observando as variações de peso que aconteciam em corpos queimados. Em sua empreitada de estudos foi o primeiro a observar a combustão produzida pelo contato de um gás com uma substância inflamável. 

Nomeou o gás de oxigênio que vem da combinação das palavras gregas “oxi” (ácido) e “gen” (gerador). Lavoisier prosseguiu com seus experimentos. Uma das experiências que ganhou destaque foi aquela em que ele adicionou um metal a um recipiente hermeticamente fechado, em seguida, pesou e levou ao forno em alta temperatura. Quando retirou, observou que o metal foi combinado ao ar, formando um óxido. 

Ao pesar novamente identificou que, mesmo com a ocorrência de uma transformação, a massa se manteve a mesma. A experiência foi repetida por diversas vezes e, independentemente de qual fosse a reação química, a massa ainda se mantinha a mesma. Dessa forma, ele concluiu que a massa das substâncias antes da reação se mantinha igual a massa resultante do processo. 

Foi assim que o cientista formulou a Lei da Conservação das Massas, que diz que nada se perde, nada se cria, apenas se transforma. Contudo, é importante pontuar que a frase “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma” é de autoria de Titus Lucrecius (94a.C. – 50a.C.), um filósofo grego. A descoberta dessa lei, conhecida também como Lei Lavoisier, fez com que ele derrubasse a Teoria de Flogisto.

Oxigênio

Lavoisier fez mais do que observar o papel do oxigênio no processo de combustão. Através de seus estudos, comprovou a função que o oxigênio tem na respiração dos animais e em reações químicas de oxidação. Também foi ele que instituiu o gás como sendo um dos mais relevantes na constituição do ar da atmosfera. 

Foi o cientista que demonstrou que as moléculas de água são formadas por duas partes de um gás, nomeado por ele de hidrogênio, e uma parte de oxigênio. A palavra hidrogênio vem do grego e significa “gerador de água”. 

Realizando estudos com cobaias, determinou métodos de provas do metabolismo basal. Para isso, ele fazia medições constantes do oxigênio que era consumido e do dióxido de carbono que as cobaias desprendiam. 

Foi o primeiro cientista a demonstrar que os animais respiravam por um tipo de combustão em que hidrogênio e carbono (absorvidos através da alimentação) reagiam com o oxigênio presente no ar produzindo água e CO2. 

Torre Eiffel

O nome de Lavoisier é um dos 72 nomes célebres franceses que estão gravados na Torre Eiffel. 

Lavoisier foi um dos nomes mais importantes da Química do século XVIII! 

Retornar ao blog