Os principais erros de concordância

Terça, 20 de Abril de 2021

Os principais erros de concordância

Os erros de concordância tiram o sossego de muitos estudantes que estão se preparando para o Enem e vestibulares. Além de esse conteúdo aparecer na prova de português, pode ser um empecilho para conquistar uma boa nota na redação. Por esses motivos, vamos apresentar, a seguir, os principais erros que podem afetar seu bom desempenho.

Erros de concordância: conheça os principais

Concordância verbal e concordância nominal podem parecer conteúdos assustadores, mas com atenção é possível entender a sua lógica. Alguns erros de concordância são mais recorrentes e, por isso, merecem ser analisados com mais atenção. Continue lendo e conheça alguns desses erros.

Concordância verbal

Antes de qualquer coisa, é necessário conceituar o que é concordância verbal. Trata-se da relação que se estabelece entre o sujeito e o verbo. Basicamente, o verbo deve ser flexionado de acordo com as características do sujeito. Para que fique mais claro, confira os exemplos a seguir:

“Luísa gosta do clima quente.”

“Os gatos saltaram pela janela e correram pela rua.”

Quais são os principais erros de concordância verbal?

Confira abaixo os principais erros relativos à concordância verbal.

Coletivo

Se o sujeito da frase for coletivo, a flexão do verbo deve ser no singular, uma vez que o coletivo é um vocábulo singular indicativo de pluralização de elementos. Caso esse coletivo esteja especificado, é possível que o verbo seja flexionado no plural. Ficará mais fácil de entender com os exemplos abaixo:

“A maioria concordou com o projeto de reestruturação.”

“A multidão de manifestantes ultrapassou o limite estabelecido.”

“A multidão de manifestantes ultrapassaram o limite estabelecido.”

Pronome relativo “quem”

Em orações que tenham o pronome relativo “quem” é necessário que o verbo concorde com o termo antecedente ao pronome. Confira os exemplos para entender a aplicação dessa regra:

“Somos nós quem queremos.”

“Sou eu quem quero.”.

Partícula “se”

Se a partícula “se” é usada como índice de indeterminação do sujeito, é necessário que o verbo seja conjugado na terceira pessoa do singular. Já no caso da partícula “se” ser usada como pronome apassivador, é necessário conjugar o verbo conforme o sujeito da oração. Confira a seguir os exemplos:

“Precisa-se de dançarinos.”

“Alugam-se carros.”

“Construiu-se uma nova casa.”

Uma boa dica para quem tem dúvida em orações com a partícula “se” é observar se há uma preposição na oração. No caso de ter uma preposição, se tem índice de indeterminação do sujeito.

Pronomes impessoais

Se há verbos impessoais (verbos sem sujeito), devem ser concordados com a terceira pessoa do singular. Confira os exemplos a seguir:

“Faz dez dias que a vejo.”

“Havia pessoas caminhando no calçadão.”

Concordância nominal

Esse tipo de concordância diz respeito à relação existente entre o substantivo e os seus determinantes (artigos, pronomes, numerais e adjetivos). Deve existir concordância entre os termos em relação ao número e ao gênero. Confira os exemplos abaixo:

“A moça ruiva chegou para o teste.”

“Os colares estavam caídos no chão.”

Quais são os principais erros de concordância nominal?

Confira abaixo os principais erros relativos à concordância nominal.

Vários substantivos

Em um caso em que há vários substantivos de gêneros distintos enumerados, o adjetivo irá concordar com o substantivo que estiver mais perto. Contudo, pode também fazer a concordância na forma masculina e no plural. Confira os exemplos abaixo:

“Casaco e calça nova.”

“Calça e casaco novo.”

“Casaco e calça novos.”

Menos

Para não cometer esse erro é importante ter em mente que a palavra menos nunca varia, independentemente de estar na forma de advérbio ou adjetivo. Confira abaixo exemplos:

“Tenho menos medo de errar do que perder a hora.”

“Soraia está menos cansada do que Elizabeth.”

Bastante, pouco, muito, barato e caro

Quando essas palavras são usadas como adjetivos, devem ter concordância de gênero e número com o substantivo. Confira os exemplos abaixo:

“Há bastantes balas na caixa.”

“Há poucas estrelas no céu hoje.”

“Há muitas crianças na pracinha.”

“Os relógios dessa loja são caros.”

“As meias estão baratas na liquidação.”

Atenção às regras!

Viu como concordância não é um conteúdo tão difícil quanto se pensa? Basta que você tenha atenção para algumas regrinhas que apresentamos ao longo do texto. Mas, mais do que isso, leia as frases com atenção, quando algo soa estranho na sua leitura é bem possível que haja algum erro de concordância.

Uma dica prática para se tornar um especialista nesse tema é ler bastante. Quando você lê diferentes tipos de produções textuais passa a ter uma bagagem de gramática e concordância maior.

Através da leitura você tem acesso a novas formas de utilizar as palavras e expressões. Torna-se mais fácil identificar que algumas frases têm problemas de concordância e você ainda passa a ter conhecimento de como corrigir.

Com essas dicas será bem mais fácil evitar erros de concordância nas suas redações e nas questões de português! Para conferir mais conteúdos e dicas para ter um bom desempenho no vestibular e no Enem, fique ligado no blog do Hexag!