O que são refugiados?

Quarta, 7 de Abril de 2021

O que são refugiados?

Saber o que são refugiados é bastante importante no contexto atual em que há tantos conflitos em diferentes pontos do mundo. Todos os dias, pessoas se veem obrigadas a deixar sua pátria para trás por motivos ideológicos, políticos ou por conflitos étnicos ou armados.

Quando uma pessoa deixa seu país por se sentir perseguida e solicita abrigo em outro, torna-se um refugiado. Continue lendo para entender melhor o conceito.

Afinal, o que são refugiados?

Pessoas que se sentem perseguidas em seus países devido a questões ideológicas, políticas ou de conflito e solicitam abrigo em outras nações são refugiados. Há um acordo entre várias nações que visa a proteção dessas pessoas, garantindo, dessa forma, os seus direitos e deveres. O tratado foi firmado na convenção de 1951, passando por uma reformulação por meio do Protocolo de 1967.

Nos dias atuais, está em vigor o programa de ressarcimento de 1999 que foi firmado entre a Organização das Nações Unidas (ONU) e 16 nações (Brasil, Chile, Austrália, Dinamarca, Islândia, Países Baixos, Burkina Faso, Nova Zelândia, Suíça, Benim, Noruega, Finlândia, Suécia, Canadá, Irlanda e Estados Unidos).

Os números

Os últimos anos foram marcados pelo mais elevado índice de deslocamento humano em que em torno de 69 milhões de pessoas se viram na necessidade de deixar seus lares. Entre os quais 25,4 milhões de pessoas são refugiados. Para se ter uma ideia, os pedidos de asilo já chegam à casa de 3,1 milhões no mundo todo.

A responsabilidade de monitorar esses emigrados é do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). Trata-se de uma agência da ONU criada especialmente para tratar das questões relacionadas aos refugiados.

Conforme dados desse órgão, a cada um minuto 20 pessoas deixam seu país objetivando pedir abrigo em outra nação. A média de pessoas que deixam suas pátrias por dia é de 44.400 indivíduos.

Mais da metade, 52% dos refugiados, é composto por crianças e jovens de até 18 anos de idade. Em grande parte dos casos, esses jovens estão desacompanhados. Entre 173.800 menores, 45.500 pediram asilo estando sozinhos.

Apátridas

Atualmente há 10 milhões de pessoas que são consideradas apátridas, aquelas que tiveram suas nacionalidades negadas de forma que não têm acesso a serviços como saúde, educação, trabalho e liberdade para ir e vir.

Os refugiados no Brasil

O Brasil tem se destacado no tocante à proteção internacional de refugiados e imigrantes, tendo concedido mais de 2 mil solicitações de refúgio feitas por pessoas da Síria. Esse número é quase o dobro das concessões feitas pelos Estados Unidos e alguns países europeus. Os refugiados sírios estão distribuídos em vários estados da nação, a maior concentração está na região Sudeste.

O número destacado de concessões do Brasil está relacionado especialmente com as normas estabelecidas pelo governo brasileiro lançada em 2013 pelo órgão que é responsável pelos refugiados no país (Comitê Nacional Para os Refugiados – Conare). O órgão é ligado ao Ministério da Justiça.

Além dos sírios, que estão deixando para trás conflitos armados para reconstruir suas vidas com dignidade em nosso país, podemos mencionar também os venezuelanos que cada vez mais buscam refúgio em no Brasil. No ano de 2017, o Brasil apresentou uma alta de 118% no número de estrangeiros em comparação com 2016.

Esse aumento é creditado em especial ao êxodo empreendido pelos venezuelanos que fugiram da crise na Venezuela. A prefeitura da cidade de Boa Vista acredita que passaram por lá mais de 40 mil venezuelanos, isso representa 10% da população total da capital do estado de Roraima.

Os refugiados no mundo

Uma das grandes dificuldades enfrentadas pelos refugiados está no fato de que, muitas vezes, eles deixam suas nações sem a documentação necessária para poder viver com dignidade em outros países.

Além disso, os exilados saem de seus países com recursos próprios, seja de avião, carro ou até mesmo embarcações. Nem sempre, e inclusive em muitos casos, não são viagens seguras. Essas viagens são ainda mais complicadas pelo fato de que quase sempre há crianças.

Atualmente, o Mar Mediterrâneo tem sido uma das principais rotas de fuga utilizadas por refugiados. Estima-se que em 2015 mais de 300 mil pessoas passaram por lá para chegar ilegalmente à Europa. A travessia acontece a bordo de embarcações em condições precárias que, em grande parte dos casos, pertencem a traficantes.

O valor da travessia por pessoa custa em torno de R$ 10 mil e não há garantias de que tudo dará certo, haja vista as péssimas condições de viagem. Em 2018, morreram afogadas no Mediterrâneo mais de duas mil pessoas. De acordo com dados da Acnur, 57% dos refugiados são oriundos de três países: Síria, Afeganistão e Sudão do Sul.

Para onde os refugiados vão?

As nações que mais têm acolhido refugiados são aquelas que estão em desenvolvimento. Alguns países são responsáveis por receber em torno de 85% dos refugiados, são eles: Turquia, Uganda, Paquistão, Líbano e República Islâmica do Irã.

A questão dos refugiados tende a se manter em pauta em longo prazo devido as situações conflituosas pelo mundo. Então, é importante entender o assunto caso seja cobrado em questões ou na redação do Enem e dos principais vestibulares.