O que foi o totalitarismo?

Totalitarismo é o nome dado a um regime político que se desenvolveu e desapareceu em alguns países da Europa durante o século passado. A estrutura desse tipo de regime se caracteriza pelo forte controle da vida pública e privada.

A condução do modelo político era feita por líderes totalitários, cuja principal característica era a centralização do poder. A atuação do próprio Estado atendia às demandas dessas lideranças.

Os principais exemplos de regimes totalitários na Europa do século XX são: o nazismo (Adolf Hitler), o fascismo (Benito Mussolini) e o stalinismo (Josef Stalin). Porém, também podemos citar os regimes de Francisco Franco, na Espanha, e de António de Oliveira Salazar, em Portugal.

Continue lendo para entender mais sobre o assunto. 

Origem do totalitarismo

Há teóricos que associam a origem do totalitarismo ao comunismo, no entanto, não é possível chegar a um consenso a respeito. Contudo, algo que se mostra comum entre esses regimes é a crise instaurada nos países que adotaram esse sistema.

A Europa passou por uma grande crise nas primeiras décadas do século passado, em parte resultado da Primeira Guerra Mundial e de políticas econômicas infrutíferas.

O contexto econômico era desalentador com elevada inflação, desemprego, fome, miséria e falta de auxílio à população. Nesse cenário, o totalitarismo ganhou contornos de uma possível solução para os principais problemas da população. 

Houve apoio popular a tais regimes pelo desespero de ter acesso a melhores condições de vida. Dessa forma, é possível atrelar a origem do totalitarismo ao ódio dedicado a alguma categoria social sob a justificativa de medo e terror. 

Exemplos de regimes totalitários

Confira os principais exemplos de regimes totalitários. 

Nazismo

O nazismo, ocorrido na Alemanha entre os anos de 1933 e 1945, teve a liderança de Adolf Hitler.

Fascismo

Regime totalitário ocorrido na Itália, entre os anos de 1922 e 1943, sob a liderança de Benito Mussolini. 

Stalinismo

Em 1917, a Revolução Russa culminou no início do comunismo soviético. No entanto, o stalinismo – interpretação particular de Josef Stalin do marxismo – passou a vigorar no país em 1924. Esse regime perdurou até 1953. 

Franquismo e Salazarismo

A Espanha esteve sob o domínio de Francisco Franco entre os anos de 1939 e 1975. Em Portugal, António de Oliveira Salazar se manteve no comando entre os anos de 1926 e 1970, tendo implantado o Estado Novo português. Ambos os regimes são entendidos como anticomunistas, totalitários e nacionalistas, tendo sido inspirados no fascismo de Mussolini.

Principais características do totalitarismo

Para entender mais profundamente o que foi o totalitarismo, é interessante conhecer as suas principais características. Esses regimes possuem características em comum, independentemente de terem inclinação para a extrema-esquerda (União Soviética) ou para a extrema-direita (Itália e Alemanha). Conheça esses elementos. 

Contexto de crise

Tanto a Alemanha quanto a Rússia passavam por fortes crises econômicas quando os regimes totalitários se estabeleceram. O Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães, e especialmente seu líder Adolf Hitler, soava como uma esperança para a população, que enfrentava miséria, desemprego e fome, decorrentes da Primeira Guerra Mundial. Inicialmente, o nazismo tinha forte apoio popular.

Os russos também estavam em uma situação econômica delicada após anos da monarquia czarista e a devastação deixada pela guerra. A Revolução Russa eclodiu no ano de 1917 e as suas lideranças, particularmente Lenin, prometeram o fim das dificuldades. Quando Lenin saiu do poder, Stalin assumiu, impondo um regime totalitarista de esquerda focado no combate aos inimigos, os anticomunistas.

Identificação de um inimigo

Outra característica recorrente em regimes totalitários é a identificação de potenciais inimigos em comum. Normalmente, são colocados nessa posição grupos que não têm o mesmo interesse do regime ou que simplesmente funcionam bem como alvo do ódio popular. Quando há a figura de um inimigo em comum se torna mais fácil unir o povo em torno de um objetivo.

Para o nazismo, o inimigo principal era o povo judeu, no entanto, também direcionava sua aversão a comunistas, ciganos e homossexuais. No stalinismo o grande inimigo era a burguesia. O fascismo se posicionava contrariamente aos estrangeiros, aos antinacionalistas e aqueles que criticavam o Estado centralizador, como os anarquistas, por exemplo. 

Controle da vida da população

No totalitarismo há forte controle da vida pública e privada da população. O Estado tem plenos poderes para decidir o que pode ou não ser acessado pelo povo. Essa característica o torna bastante inflado e cria uma relação entre o totalitarismo e o autoritarismo. Inclusive, é esse ponto que pode gerar a confusão entre o conceito de totalitarismo e comunismo.

Embora exista um regime totalitário de esquerda (o stalinismo) não se pode afirmar que os regimes totalitários sejam em sua essência de esquerda e nem que o comunismo possui uma proposta totalitária. 

Centralização do poder

Regimes totalitários centralizam o poder nas mãos de uma liderança ou de um grupo político para se sustentarem nessa posição. Essa estratégia gerou o surgimento do culto à personalidade.

Os grupos totalitaristas propagam fortemente o nacionalismo e o patriotismo como bases para o crescimento de uma nação. Nesses regimes há o unipartidarismo. 

Propaganda

Nos regimes totalitários há grande investimento em propaganda para transmitir seus ideais e manter o domínio ideológico. Essa estratégia objetivava conservar o apoio popular, mesmo nos momentos de crise. No nazismo, no fascismo e no stalinismo a propaganda tinha grande relevância para construir a imagem de líderes salvadores que lutavam arduamente contra um inimigo.

Pensamentos contrários aos dos regimes totalitários eram combatidos com forte propaganda em diferentes canais de comunicação. Todas as formas de disseminação cultural, como cinema, jornais e rádios passavam pelo crivo do Estado. Com a finalidade de fiscalização, eram criados ministérios e secretarias. 

Forte policiamento e instauração do medo

As populações submetidas a regimes totalitários viviam sob intenso policiamento. O medo instaurado levava as pessoas a aceitarem sem questionar o governo totalitário. 

Agora você conhece as principais características do totalitarismo. Para conferir mais conteúdos como este, navegue pelo blog do Hexag!

Retornar ao blog