O que é trabalho remoto? Qual a perspectiva pós-pandemia?

O surgimento do novo coronavírus, em dezembro de 2019 na China, fez o mundo passar a discutir o que é trabalho remoto e como ele pode manter a economia mundial girando em um momento em que o distanciamento social é imprescindível.

Trabalhar em casa não era uma opção em grande parte das empresas brasileiras, porém, quando isso se tornou inevitável devido a pandemia, ajudou a desconstruir o mito de que era um sistema improdutivo.

Aos poucos, a tendência do home office, que já vinha se consolidando, ganhou mais impulso. Especialistas em mercado de trabalho do mundo todo estimam que haverá um aumento considerável na adoção do regime de trabalho a distância, mesmo depois que o confinamento extremo não for mais necessário.

O que é trabalho remoto?

Conceitualmente, há diferença entre trabalho remoto e home office, o primeiro refere-se à realização das atividades laborais de qualquer local fora da empresa (casa, coworking, café entre outros).

Por sua vez, o home office é o trabalho realizado especificamente de casa. Em tempos de pandemia, o mais indicado é que os trabalhadores usem suas casas como escritório, evitando ao máximo contato com terceiros.

Os profissionais que trabalham remotamente têm as mesmas responsabilidades e deveres que profissionais que atuam fisicamente nas empresas. Em linhas gerais, esses funcionários continuam prestando contas para o líder do setor e tendo uma série de metas para cumprir.

Aplicativos de vídeo e troca de mensagens permitem que se mantenha a interação necessária entre os colaboradores de um mesmo departamento, mesmo que cada um esteja em sua casa.

O trabalho remoto como solução na pandemia

Praticamente, de um dia para o outro, sem tempo de planejamento, muitas empresas se viram diante da realidade de um confinamento em massa em decorrência da pandemia mais letal do planeta depois da Gripe Espanhola em 1918. Centenas de milhares de vidas já foram perdidas para o COVID-19 no mundo todo e a forma mais segura de trabalhar é cada um em sua casa, sem contato com pessoas de fora.

O trabalho remoto se mostra uma solução para as empresas que estão tentando minimizar os efeitos da grande crise econômica que terá alcance global. Adaptações foram necessárias para manter o ritmo de produtividade das equipes, reduzindo, dessa forma, o número de demissões.

Se, para algumas pessoas, trabalhar em casa não é exatamente confortável, certamente é melhor do que estar no lugar dos cerca de 20% de desempregados estimados para o final de 2020.

Qual a perspectiva pós-pandemia?

Antes da pandemia, o trabalho remoto era apontado como uma tendência que levaria alguns anos para se consolidar entre companhias de diferentes setores. Contudo, a situação de emergência criada pelo novo coronavírus acelerou essa tendência, permitindo que até os líderes corporativos mais reticentes quanto às vantagens desse sistema pudessem fazer uma experiência.

Esse é um momento delicado, mas também uma oportunidade para que empresas de vários portes testem a eficiência do trabalho remoto para as suas realidades. Acredita-se que no pós-pandemia o home office se manterá forte.

Vantagens do trabalho remoto

Havia um grande mito de que os profissionais seriam menos produtivos trabalhando em suas casas, devido ao conforto e ao maior número de distrações. Porém, o que se percebe de uma forma geral é exatamente o oposto. Líderes de empresas identificaram não somente aumento da produtividade, como mais dedicação dos colaboradores.

Em parte, isso pode ser explicado pelo fato de que grande parte dos trabalhadores precisa enfrentar mais de três horas no trânsito das grandes cidades para ir e voltar da empresa em que atuam. Com essa economia de tempo de deslocamento, é possível ter mais momentos de qualidade com a família, o que se reflete em mais motivação.

Além disso, há a questão de economia feita pelas empresas que gastam menos energia elétrica, não precisam arcar com o cafezinho da tarde e nem com o vale-transporte. O setor imobiliário comercial passará por um grande impacto pós-pandemia como reflexo do aumento da adoção do trabalho a distância.

Desafios do trabalho remoto

As mulheres são as mais afetadas pelas mudanças geradas pelo trabalho remoto no Brasil, afinal, de acordo com levantamento do governo, 93% das brasileiras mantêm uma jornada dupla, o trabalho remunerado e as funções domésticas.

A partir do momento em que as duas atividades passaram a ser realizadas em um mesmo ambiente físico, tornaram-se mais desgastantes e estressantes. Conciliar o trabalho com a rotina da casa, em especial quando se tem crianças pequenas, está sendo um dos grandes desafios de quem está trabalhando remotamente.

Outro fator relevante de citar é que alguns profissionais, como professores, por exemplo, não tinham muita intimidade com ferramentas de gravação e transmissão ao vivo no início da pandemia e precisaram se adaptar para continuar suas atividades.

Um novo mundo pós-pandemia

A pandemia do novo coronavírus já marcou a história, como a de Gripe Espanhola no século passado. Haverá uma série de mudanças estruturais na sociedade, dentre elas o aumento do trabalho remoto que, mais do que uma solução passageira para esse momento de dificuldade, se mostrou um sistema com grande potencial de sucesso para o futuro.

As empresas ganham tendo funcionários mais produtivos e menos custos operacionais, assim como os próprios colaboradores, que têm mais liberdade e conforto para trabalhar diretamente de suas casas.

O trabalho remoto já era uma tendência, a pandemia apenas acelerou sua consolidação.

Retornar ao blog