Livros para o vestibular – Quais são os mais cobrados?

Quem pretende prestar algum processo seletivo para ingressar no ensino superior deve dedicar algum tempo para a leitura e compreensão dos livros para vestibular. Os vestibulares realizados por diferentes instituições, assim como o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), recomendam alguns títulos de literatura brasileira para que os alunos leiam e respondam questões na prova.

Para te ajudar nessa jornada de leitura dos clássicos da literatura nacional elaboramos uma lista com os títulos mais cobrados. Saiba mais detalhes sobre as obras e quais são as possíveis abordagens nas provas. Vamos começar?

Livros para vestibular: conheça os mais cobrados

Todos os anos, os processos seletivos para o ensino superior divulgam uma lista com alguns livros de literatura nacional para que os estudantes leiam e estejam preparados para responder algumas questões da prova. Abaixo você conhecerá melhor os livros que mais aparecem nessas listas e quais os motivos para essa recorrência.

1 – O Cortiço (Aluísio Azevedo)

Obra pertencente à escola naturalista, O Cortiço é um livro que traz a discussão da capacidade de influência do meio sobre as ações do homem. Como o título indica, a história se passa em um grande cortiço, ou seja, um local de moradia coletiva em que há pessoas de todos os tipos e inclinações morais.

O personagem central, João Romão, é um homem que deseja enriquecer e ascender socialmente, independentemente do que isso custe. Para isso, empreende uma grande disputa com Miranda, um comerciante com status social mais alto.

Há diversas histórias paralelas que também fazem o leitor questionar o quanto o meio tem influência sobre as ações antiéticas das pessoas.

2 – A Moreninha (Joaquim Manuel de Macedo)

Uma leitura leve com uma trama focada no amor, A Moreninha é uma obra do movimento do Romantismo. A história nos apresenta Augusto, um estudante de medicina que se apaixona por D. Carolina, irmã de um dos seus amigos.

Volúvel no amor, o protagonista precisa se adaptar a esse sentimento, que não parece ser algo passageiro. Esse livro tem um toque de suspense, Augusto acabará descobrindo que sua amada teve uma participação importante em sua vida no passado.

3 – Dom Casmurro (Machado de Assis)

Capitu traiu ou não traiu Bentinho? Eis a grande questão da literatura brasileira e, para qual, não há uma resposta exata. O livro, narrado por Bentinho – que é chamado de Dom Casmurro por sua disposição de humor – conta a história de amor entre ele e Capitu.

Os dois se conheceram crianças e se apaixonaram, no entanto, não podiam sonhar com um futuro devido à promessa da mãe do protagonista de que ele seria padre. No seminário, Bentinho faz amizade com um garoto esperto chamado Escobar, ambos desistem de seguir a carreira eclesiástica.

Bentinho se casa com Capitu e Escobar se casa com Sancha. Os dois casais são muito próximos, porém, quando Escobar falece tragicamente, Bentinho começa a duvidar da fidelidade de sua esposa. A semelhança física que ele vê entre seu filho e o amigo morto se torna difícil de ignorar.

4 – Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis)

Um livro que foi um marco na literatura brasileira ao inaugurar o movimento do realismo. A obra é um retrato forte da sociedade patriarcal do período do Império no Brasil. Algo interessante a se destacar é o fato de que o protagonista, Brás Cubas, está contando suas memórias depois de sua morte.

Sem seguir uma ordem cronológica, o personagem nos leva para conhecer sua vida completa desde a infância até a sua morte. A não realização de nada em sua jornada no mundo é um dos pontos mais marcantes da história.

5 – O Alienista (Machado de Assis)

Mais uma obra realista de Machado de Assis, O Alienista é um conto que muitas vezes é cobrado em provas de vestibular. O enredo gira em torno do Dr. Simão Bacamarte, que está retornando para sua terra-natal, Itaguaí, com grande reconhecimento por seu trabalho como médico na Europa.

Ele se casa com D. Evarista, uma mulher nem bonita e nem simpática com quem pretende ter filhos. Porém, a jovem viúva não lhe dá nenhum herdeiro. O trabalho passa a ocupar todo o seu tempo quando ele abre um manicômio chamado Casa Verde.

Depois de algum tempo, as internações parecem sair do controle, pessoas consideradas sem nenhum traço de loucura são levadas para o manicômio. Como será que Itaguaí vai reagir ao trabalho do alienista?

6 – Capitães de Areia (Jorge Amado)

Capitães de Areia é o nome de um grupo de meninos de rua que cometem infrações pelas ruas de Salvador. O livro nos apresenta a vida desses garotos, porém, sem dar protagonismo individual para nenhum.

Acompanhamos uma rotina marcada pela violência e pelo desejo de sobreviver às ruas. A trama nos leva a conhecer mais sobre os sonhos dos componentes do grupo central e o destino de cada um deles.

7 – Laços de Família (Clarice Lispector)

Os treze contos do livro Laços de Família de Clarice Lispector se mantêm atuais pela discussão que propiciam – os conflitos existentes nos núcleos familiares. Os contos que se tornaram clássicos abordam questões bastante delicadas ligadas à violência emocional, o distanciamento entre os familiares e até mesmo a morte.

8 – Iracema (José de Alencar)

A história de amor entre o português Martim e a índia Iracema no século XVII, apresenta o encontro da civilização europeia com os valores indígenas. No período em que a história acontece, ocorreram inúmeros conflitos entre os homens brancos e os índios. Essa paixão que nasce entre os dois extremos têm muitos desafios para vencer.

9 – Sagarana (Guimarães Rosa)

Um dos livros mais marcantes de Guimarães Rosa, Sagarana reúne nove contos: O burrinho pedrês; A volta do marido pródigo; Sarapalha; Duelo; Minha gente; São Marcos; Corpo fechado; Conversa de bois; A hora e a vez de Augusto Matraga. Todas essas histórias se desenvolvem no cenário do sertão de Minas Gerais e têm como personagens centrais vaqueiros e jagunços com suas peripécias.

10 – Grande Sertão: Veredas (Guimarães Rosa)

O nome desse livro pode ser lido também como “Grande SER tão veredas”, ou seja, fala sobre a grande miscelânea de emoções de que o ser humano é feito. A narrativa nos leva a conhecer a história do jagunço Riobaldo que vive atormentado por sua grande paixão por Diadorim, um homem.

Há a discussão sobre a impossibilidade desse amor e sobre a repressão desses sentimentos, tidos como proibidos para um líder jagunço. O que o Riobaldo não sabe é que, na verdade, Diadorim é uma mulher que assumiu uma identidade masculina.

11 – Vidas Secas (Graciliano Ramos)

Um retrato da jornada difícil dos retirantes do sertão que partem em busca de uma vida longe dos flagelos da seca, atravessando a inóspita região da caatinga. A trama tem como foco a partida de uma família que passará por inúmeros desafios para deixar para trás a fome e a miséria. Com 13 capítulos, esse livro não segue uma ordem cronológica para contar a história.

12 – Seminário dos Ratos (Lygia Fagundes Telles)

O livro, composto por 14 contos de Lygia Fagundes Telles, aborda os acontecimentos mais marcantes do século XX, com um toque de ironia e crítica. Uma obra que conserva sua relevância pela sua capacidade de despertar no leitor uma visão crítica a respeito de diferentes situações. Os contos têm como pano de fundo o amor, o desamor, a solidão, a loucura e a morte.

É muito importante ler os livros da lista do vestibular que for prestar, assim como estudar seus contextos históricos e movimentos literários. Bons estudos!

Retornar ao blog