Entendendo o absolutismo

Absolutismo é o nome dado a um tipo de sistema político em que todo o poder fica centralizado em uma única figura, que pode ser um rei ou um ditador. Trata-se de um sistema totalmente diferente do que é adotado em uma democracia, em que o presidente não possui o poder absoluto e há uma divisão entre órgãos distintos.

Continue a leitura para entender melhor o que é absolutismo e saber mais sobre países em que ele esteve presente.

O que é absolutismo?

Como mencionado, no absolutismo apenas uma pessoa detém todo o poder do Estado. Com isso, pode decidir livremente sobre qualquer assunto do interesse da população sem sofrer qualquer tipo de contestação. Como se pode imaginar, é um sistema que abre espaço para injustiças, abusos de poder e mais uma série de questões que podemos observar em vários capítulos da história.

O Rei Luís XIV, que governou a França entre os anos de 1643 e 1715, é um bom exemplo de líder absolutista. Ele disse uma frase que se tornou emblemática e descreveu muito bem o absolutismo: “L’état, c’est moi”, em português, “Eu sou o Estado”. Já em uma democracia, o Estado é formado por uma série de autoridades que dividem o poder e evitam que abusos aconteçam.

Além do absolutismo monárquico, esse sistema político existiu de outras formas em vários países do mundo. Alguns exemplos incluem: Adolph Hitler com o nazismo alemão; Joseph Stalin com a União Soviética; Benito Mussolini e o fascismo italiano; e o mais recente Kim Jong-Un na Coreia do Norte.

Defensores do absolutismo

Um dos maiores defensores do absolutismo foi o bispo francês Jacques-Bénigne Bossuet. Ele defendia o chamado “direito divino”, que é a ideia de que os reis eram escolhidos por Deus para manter a sociedade organizada. Com isso, essas pessoas consideradas superiores deveriam deter todo o poder e não compartilhá-lo, como ocorre na chamada monarquia constitucional.

Outros teóricos usavam argumentos mais pragmáticos para defender o absolutismo. O filósofo inglês Thomas Hobbes, por exemplo, afirmava que a obediência era a única maneira de manter a ordem e a segurança. Já Nicolau Maquiavel, defendia que um rei precisava ser mais temido do que amado, usando como justificativa uma frase que se tornou célebre em sua obra “O Príncipe”: “Os fins justificam os meios”.

Características do absolutismo

Veja, a seguir, as principais características do absolutismo e entenda melhor como esse tipo de governo funcionava.

Poder ilimitado – Os monarcas podiam tomar decisões livremente e criar leis, sem que fosse necessária a aprovação de outro órgão ou da sociedade.

Interferência na religião – O poder dos monarcas se estendia à religião da população, que deveria seguir a crença determinada por eles. Além disso, eram eles que nomeavam quem ocuparia cargos do alto clero.

Poder concentrado – Como a transição do poder ocorria de forma hereditária, ou seja, passando entre descendentes, o poder ficava concentrado em apenas algumas famílias.

Abuso através de impostos – As camadas mais pobres da sociedade eram exploradas através do pagamento de impostos. Aqueles que se negavam a pagar eram punidos de forma violenta, podendo ser presos, agredidos ou, até mesmo, mortos.

Nobres sustentados pelo Estado – Os impostos recolhidos pela população serviam para manter os luxos da monarquia e sustentar a nobreza, como forma de evitar conflitos com uma classe que tinha certo poder. Inclusive, o Palácio de Versalhes, que fica na França, foi construído para servir como moradia para os nobres.

Mercantilismo – O principal modelo econômico seguido pelos governos absolutistas era o mercantilismo. Nesse sistema, o Estado tinha o poder de intervir na economia e buscava a acumulação de riquezas.

Mudanças depois da Revolução Francesa – Durante a Idade Média, praticamente todos os monarcas governavam seguindo os moldes absolutistas. No final do século 18, com o fim da Revolução Francesa, muitos países começaram a seguir o modelo chamado monarquia constitucional, em que há uma constituição e o rei não detém o poder absoluto.

Fim do absolutismo

Com o passar do tempo, o absolutismo foi perdendo sua força porque o abuso de poder não costuma ser sustentável e as chances de as pessoas se rebelarem são muito grandes. Assim, a violência, a imposição de crenças religiosas, a carga tributária mais alta do que a população podia pagar, tudo isso foi culminando para o fim dessa forma de governo, o que aconteceu por volta do século 19.

Outro fator que contribuiu para a queda do absolutismo está relacionado às mudanças geradas pela Revolução Francesa. O Iluminismo contestava a ideia de que os monarcas detinham o chamado “poder divino” porque valorizava o pensamento racional e defendia a ideia de poder descentralizado. Toda essa pressão fez com que esse sistema político deixasse de ser adotado pela maioria dos países.

Para conferir mais conteúdos de história geral, além de dicas para o Enem e o vestibular, navegue pelo blog do Hexag!

Retornar ao blog