Diferença entre epirogênese e orogênese

Epirogênese e orogênese são tipos de classificação de movimentos tectônicos que podem ser chamados também de epirogenia e orogenia. Essa classificação tem como objetivo a compreensão dos processos resultantes do movimento das placas tectônicas.

Esse fenômeno, conhecido como tectonismo, pode gerar comportamentos distintos, assim como durar mais ou menos tempo e ter resultados bem diferentes. Continue lendo para compreender a diferença entre epirogenia e orogenia.

Epirogênese e orogênese: movimentos tectônicos

A formação do relevo se dá a partir de fatores internos (endógenos) e externos (exógenos). Os chamados movimentos endógenos ou internos são resultantes dos movimentos tectônicos ou das massas continentais.

É a deformação produzida nas placas que determina os tipos de movimentos tectônicos. Também se considera a intensidade das forças que são empregadas. Há dois tipos de movimentos: epirogênese e orogênese.

Como mencionamos anteriormente, epirogênese e orogênese consistem em classificações para os movimentos tectônicos. A criação da classificação tem como objetivo entender os processos resultantes do tectonismo em suas particularidades e diferenças. Para que seja possível compreender essa diferença é necessário fazer a conceituação de ambos.

O que é orogênese?

Orogênese é o processo de movimentos internos da Terra que apresentam curta duração, considerando o tempo geológico, e se caracterizam por resultar no choque ou afastamento entre duas placas distintas. É um momento horizontal. Quando as placas se chocam, o movimento é convergente e quando as placas se afastam ele se torna divergente.

A convergência de placas resulta no surgimento de dobramentos e cordilheiras, enquanto a divergência resulta na formação das placas dorsais, que são as cordilheiras submarinas. O processo também pode ser conhecido como movimentos orogênicos e costuma acontecer em formações geológicas instáveis e recentes.

Resultados da Orogênese

O choque entre placas tectônicas leva ao soerguimento do relevo terrestre, de maneira que os movimentos orogênicos têm como resultado a formação de grandes cadeias de montanhas e cordilheiras. Os movimentos orogênicos também podem levar ao surgimento de vulcões e falhas geológicas que se caracterizam por serem responsáveis por terremotos e abalos sísmicos.

Tipos de orogênese

A orogênese se dá nas bordas convergentes de placa, isto é, em regiões contíguas que ficam no limite entre duas placas litosféricas com deslocamentos convergentes. É possível classificar a orogênese em: orogênese térmica ou areotectônica ou orogênese mecânica ou paratectônica.

Orogênese térmica ou areotectônica

Esse tipo de orogênese acontece quando há subducção, ou seja, uma placa se coloca por baixo da outra. A classificação como térmica se deve à relevância dos fenômenos magmáticos ou vulcânicos que são consequência da fricção de placas. O termo areotectônica, por sua vez, diz respeito à predominância dos deslocamentos verticais que se sobressaem aos horizontais.

Orogênese mecânica ou paratectônica

Acontece quando o movimento convergente entre duas placas tectônicas acarreta o arrastamento de um fragmento continental contra o outro. Os movimentos e forças predominantes são horizontais (paratectônicos) e sua origem é basicamente tectônica (mecânica).

O que é epirogênese?

Os movimentos epirogênicos se caracterizam por serem movimentos internos de longa duração, também considerando o tempo geológico, levando a movimentos verticais. Esses movimentos podem resultar em soerguimento (elevação de altitudes sem falhas ou dobras – movimento para cima) ou subsidência (rebaixamento de altitudes de um relevo – movimento para baixo).

Os movimentos epirogênicos costumam formar intumescências, arqueamentos ou abaciamentos. Algo interessante é que os arqueamentos podem ser maiores em um ponto e menores em outro ponto.

Pode ocorrer levantamentos em um lugar e rebaixamentos em outros. Por serem movimentos lentos, apresentam certa dificuldade para que possam ser medidos. A expressão epirogênese foi criada por Gilbert, em 1890.

Resultado da epirogênese

Os movimentos epirogênicos costumam se dar em terrenos estáveis e com formação geológica antiga, isto é, com menos acidentes e mais planos. Como não apresenta falhas ou dobras, não leva ao vulcanismo e a terremotos. Abrange áreas com dimensões continentais.

Epirogênese e orogênese: qual é a diferença?

As diferenças básicas entre epirogênese e orogênese são as seguintes:

Horizontal e vertical

Orogênese se caracteriza por produzir movimentos horizontais, enquanto a epirogênese se caracteriza por originar movimentos verticais.

Duração

Considerando o ponto de vista de tempo geológico, a orogênese é um processo de curta duração e a epirogênese é um processo de longa duração.

Tipos de terreno em que ocorrem

Os movimentos orogênicos geralmente acontecem em formações geológicas instáveis e recentes. Já os movimentos epirogênicos costumam acontecer em terrenos estáveis e com formação geológica antiga.

Resultados

Por fim, os dois tipos de movimentos tectônicos apresentam resultados distintos. A orogenia pode levar à formação de cadeias de montanhas de grande porte e cordilheiras assim como ao surgimento de vulcões e falhas geológicas.

Os movimentos orogênicos podem ser responsáveis por abalos sísmicos e terremotos. Como ocorrem em áreas mais estáveis, os movimentos epirogênicos não levam à formação de vulcões ou terremotos.

Agora você já sabe quais são as principais diferenças entre epirogênese e orogênese! Para conferir mais conteúdos de geografia, além de dicas para se sair bem no Enem e no vestibular, fique ligado no blog do Hexag!

Retornar ao blog