Como classificar as orações subordinadas?

As orações que exercem função sintática em relação à oração principal são chamadas de orações subordinadas. A língua portuguesa possui dois tipos de períodos: período composto por coordenação e período composto por subordinação. O último se caracteriza por ser formado por duas ou mais orações. 

Uma dessas orações é a principal, enquanto a outra é a subordinada. A subordinação se dá pelo fato de que uma oração depende sintaticamente da outra. As orações coordenadas são aquelas constituídas por outras independentes e que, dessa maneira, não apresentam dependência sintática. 

Entendendo o que são as orações subordinadas

As orações coordenadas têm como característica central a independência sintática, geralmente têm sentido e se constituem em um texto. Podemos citar como exemplo a frase: “O sol brilhou”. Como essa oração tem sentido próprio, é independente.

No entanto, se for adicionada uma camada gramatical inferior em relação à outra oração, então não haverá mais a independência. Um exemplo é: “As crianças saíram quando o sol brilhou”. Quando a oração é escrita dessa maneira passa a ter a seguinte estrutura sintática: 

As crianças saíram (Oração principal)

quando o sol brilhou (Oração subordinada)

Nesse caso, a oração “quando o sol brilhou” possui uma relação de dependência e tem uma função sintática em relação à oração: “As crianças saíram” (oração principal).

Logo, a oração independente “O sol brilhou” saiu do nível sintático de independência para assumir uma função sintática de oração subordinada adverbial temporal. Isso porque tem valor de advérbio e transmite o aspecto circunstancial de “tempo” no tocante ao núcleo verbal “saíram” da oração principal. 

Orações subordinadas e a sua classificação

As orações subordinadas são classificadas gramaticalmente de acordo com a função sintática exercida em relação à oração principal. As funções sintáticas que podem ser exercidas pelas orações subordinadas são: objeto direto, sujeito, objeto indireto, aposto, predicativo do sujeito, adjunto adnominal, complemento nominal e adjunto adverbial. 

Sendo assim, podem ter valor de substantivos, adjetivos e advérbios. Por esse motivo é que são classificadas como orações subordinadas substantivas, orações subordinadas adverbiais e orações subordinadas adjetivas. A seguir você poderá entender um pouco mais sobre os diferentes tipos de orações subordinadas existentes.

Orações Subordinadas Substantivas

São classificadas como orações subordinadas substantivas aquelas que exercem a função de substantivo. Essas orações podem ser classificadas como: Predicativa, Subjetiva, Objetiva Direta, Objetiva Indireta, Completiva Nominal e Apositiva. 

Oração Subordinada Substantiva Subjetiva 

Nesse caso a oração subordinada exerce a função de sujeito. 

Exemplo: “É provável que ele venha lanchar”. 

Oração Subordinada Substantiva Predicativa

Nesse caso a oração subordinada assume a função de predicativo do sujeito.

Exemplo: “Meu desejo era que me dessem um pouco de paz”. 

Oração Subordinada Substantiva Completiva Nominal

Nesse caso a oração tem a função de complemento nominal.

Exemplo: “Temos necessidade de que nos ajudem”. 

Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta

É o caso de quando a oração exerce a função de objeto direto.

Exemplo: “Nós desejamos que sua sorte seja a melhor”. 

Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta 

Caracteriza-se por exercer a função de objeto indireto.

Exemplo: “Recordo-me de que tu me admiravas”.

Oração Subordinada Substantiva Apositiva

É o caso de quando a oração subordinada tem a função de aposto. 

Exemplo: “Desejo-te uma coisa: que sejas muito feliz”. 

Orações Subordinadas Adjetivas

Nesta categoria estão as orações subordinadas que exercem a função de adjetivo. Essas orações podem ser classificadas como Restritiva e Explicativa. 

Oração Subordinada Adjetiva Explicativa

É aquela em que o destaque está em um detalhe do termo antecedente.

Exemplo: “O Brasil, que é um país de extensão continental, tem grande desigualdade social”. 

Oração Subordinada Adjetiva Restritiva

Trata-se da oração que restringe a significação do seu antecedente. 

Exemplo: “As pessoas que reclamam tem mais problemas de saúde”. 

Orações Subordinadas Adverbiais

Por fim, as orações subordinadas adverbiais são aquelas que têm a função de advérbio. Podem ser classificadas como: Comparativas, Causais, Condicionais, Concessivas, Consecutivas, Conformativas, Temporais, Finais e Proporcionais. 

Oração Subordinada Adverbial Causal

É a oração que exprime a causa.

Exemplo: “Já que está chovendo não iremos à festa”. 

Oração Subordinada Adverbial Comparativa

É aquela que faz uma comparação entre a oração principal e a oração subordinada.

Exemplo: “Luísa era mais bonita que sua irmã”. 

Oração Subordinada Adverbial Concessiva

É o tipo de oração que indica permissão (concessão) entre as orações.

Exemplo: “Alguns foram embora do encontro mesmo sem terem concluído a exposição”. 

Oração Subordinada Adverbial Condicional

Trata-se de uma oração que exprime condição.

Exemplo: “Você fará uma boa apresentação desde que treine bastante”. 

Oração Subordinada Adverbial Conformativa

É a oração que transmite a ideia de concordância.

Exemplo: “Realizamos o projeto de reforma de acordo com as especificações técnicas”. 

Oração Subordinada Adverbial Consecutiva

Tem como característica exprimir a consequência em relação à oração principal.

Exemplo: “Falei tanto ontem, que fiquei sem voz hoje”. 

Oração Subordinada Adverbial Final 

Tem como sua principal característica exprimir finalidade.

Exemplo: “Todos estudam para que possam tirar boas notas”. 

Oração Subordinada Adverbial Temporal

É a oração que indica circunstância de tempo.

Exemplo: “Fico contente sempre que você vem me visitar”. 

Oração Subordinada Adverbial Proporcional

Nesse caso, expressa a proporção entre a oração principal e a subordinada.

Exemplo: “À medida que o tempo passa, minha tristeza diminui”. 

Viu como é simples classificar as orações subordinadas?

Retornar ao blog