Campanhas de vacinação: importância na sociedade brasileira

O Brasil se tornou reconhecido mundialmente pelo sucesso de suas campanhas de vacinação. Com um sistema bem organizado, o país consegue distribuir de forma eficiente os imunizantes pelo seu território de extensão continental. No entanto, nos últimos anos, essa eficácia vem sendo reduzida devido a uma grande barreira, a ignorância.

O crescimento do movimento de pessoas contrárias às vacinas, por medos injustificados, vem impactando na diminuição do número de vacinados. Com essa redução, doenças que até então estavam erradicadas em território nacional voltaram a gerar surtos, como o sarampo, por exemplo. Continue lendo para entender qual é a importância dessas campanhas para a sociedade brasileira.

Campanhas de vacinação: do sucesso as fake news

A forma mais fácil, segura e eficaz de se proteger contra doenças é a vacinação. Campanhas de imunização foram responsáveis pelo controle e erradicação de doenças graves no Brasil e no mundo. Durante muito tempo, nosso país foi um modelo para o resto do planeta no tocante a organização e execução de campanhas de vacinação.

No entanto, nos últimos anos, as campanhas de vacinação vêm sendo amplamente atacadas por notícias falsas. As mentiras inventadas a respeito dos imunizantes vêm gerando medo em parte da população que passou a ter dúvidas a respeito da segurança de se vacinar. 

As chamadas fake news encontraram combustível no universo digital, sendo facilmente compartilhadas chegando a um número cada vez maior de pessoas. O mais preocupante é que muitos desses adultos são responsáveis por crianças e deixam de levá-las para tomar vacinas essenciais para essa primeira etapa da vida. 

O ressurgimento de doenças erradicadas

Atualmente, se tornou relativamente comum se ver diante de notícias a respeito do ressurgimento de doenças que estavam erradicadas em nosso país. Entre essas doenças podemos citar o sarampo, tétano, poliomielite, rubéola e coqueluche. Esses são apenas alguns exemplos de enfermidades comuns no passado e que haviam desaparecido devido às campanhas de vacinação.

O Estado do Amazonas, por exemplo, registrou em 2019 um surto de sarampo que levou à infecção de um número expressivo de pessoas. Esse registro gerou grande preocupação, especialmente porque o número de notificações começou a escalonar. Os estados vizinhos entraram em alerta. 

Como forma de contornar a situação crítica, o então ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta foi ao Amazonas para o lançamento da campanha de vacinação. Em 2020, teve início a pandemia do novo coronavírus e mais uma vez pudemos ter a dimensão do quanto às vacinas são fundamentais. Infelizmente, ainda há quem se recuse a receber a vacina contra a Covid e outras doenças.

A vacina

A melhor forma de proteger o organismo contra doenças infectocontagiosas é a vacinação. A vacina nada mais é do que um líquido inserido no organismo para ativar a defesa contra vírus e bactérias. É importante ressaltar que, antes de chegar ao braço das pessoas, as vacinas passam por um longo processo de estudo e comprovação de sua eficiência. 

Por que as campanhas de vacinação são importantes para a sociedade brasileira? 

O objetivo das campanhas de vacinação é prevenir que a população sofra com surtos de doenças infectocontagiosas. Quando há um número considerável de casos, além de aumentar o risco de mortes, também é normal que haja superlotação no sistema de saúde. As vacinas podem evitar ou pelo menos tornar mais leve a ação de uma doença contagiosa. 

A campanha de vacinação contra a Covid é um exemplo bem claro da relevância da ampla distribuição de imunizantes pelo país. Antes do início da campanha os números de pessoas internadas em estado grave devido a Covid eram bem altos. 

Após boa parte da população ter recebido duas ou três doses da vacina, esses números foram bastante reduzidos. A vacinação é imprescindível para reduzir o impacto que doenças infectocontagiosas têm na sociedade. 

Acesso às vacinas

Sem as campanhas de vacinação, realizadas pelo governo federal, nem todos teriam o mesmo acesso à imunização. Isso poderia levar à maior incidência das doenças infectocontagiosas em uma parcela menos privilegiada da sociedade. 

O fato das vacinas serem ofertadas gratuitamente em unidades de saúde distribuídas por todos os municípios permite que crianças e adultos de diferentes grupos sociais recebam o imunizante. Infelizmente, não é uma opção para todos pagar pelas vacinas. Para evitar que a desigualdade social se torne um impeditivo para erradicar doenças, é crucial manter esse sistema de distribuição igualitária de imunizantes. 

Mais uma vez retomamos o exemplo da campanha de vacinação contra Covid. A distribuição da vacina pelo governo federal impediu que os mais privilegiados comprassem as vacinas antes dos mais necessitados. Em um contexto em que não havia vacinas suficientes no mundo, não seria socialmente justo adotar a vacinação pelo sistema privado. 

As campanhas de vacinação, além de conscientizar a respeito da importância de se vacinar, também garantem o acesso a todos.

Retornar ao blog